Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Depois de um dia mau pode haver um céu estrelado. O meu reino.


14
Set12

Direito à Indignação

por Princesa das estrelas
Foi há uma semana e ainda me sinto em transe. Choque, raiva, indignação, desrespeito. Raiva por mim e pelos outros, pelos que me rodeiam, pelos que, de alguma forma, dependem de mim.
Tenho 36 anos, trabalho a tempo inteiro e a fazer descontos para a SS e IRS desde os 22. Nunca fiz uma marosca fical, nunca recebi por fora, nunca deixei de pagar os meus impostos.
Há cerca de sete anos tive uma doença grave que me valeu uma incapacidade de 80 por cento. Como consequência dessa incapacidade, passei a ter algumas regalias fiscais e a ser isenta de taxas moderadoras.
Durante a minha doença, estive 25 dias de baixa médica. Tirei o estômago e o baço, fiz seis ciclos de quimioterapia e 30 sessões de radioterapias, mas não deixei de trabalhar. Entre tratamentos e vómitos lá me ia arrastando, com a ajuda da família, para não deixar de trabalhar, para não consumir o dinheiro que fazia falta a quem realmente dele precisava. Há cerca de um ano a minha médica do centro de saúde reformou-se e estou, até agora, sem médica. Eu, que tenho uma doença crónica. Eu que, como os médicos costumam dizer, sou um milagre com pernas. Apesar de fazer os meus descontos não tenho direito a algo tão básico como um médico de família. Há poucos dias soube que me tinha sido retirada a minha isenção. Assim, à má fila, sem aviso. Tal como aconteceu quando fiquei sem médico. Com a informatização do SNS soube, durante uma consulta de clínica geral paga (à Casa da Imprensa, associação para a qual desconto todos os meses de modo a atenuar as falhas do SNS) que teria de pagar as taxas moderadoras das análises que me foram prescritas. Este governo funciona assim: à má fila, às escodidas; vai tirando a torto e a direito sem avisar. E eu sinto-me INDIGNADA. E arrependo-me de não ter andado a roçar o rabo pelos hospitais e a meter baixa atrás de baixa. Porque o que este governo quer é promover a preguiça, o menor esforço, o chico-espertismo.
Há dois anos decidi criar a minha própria empresa, uma pequena empresa. Assumi o risco com uma sócia, saí da minha zona de conforto (expressão tão apreciada pelos nossos governantes) e arrisquei tudo numa empresa que corre agora o risco de definhar com as sucessivas políticas de cortes no rendimento das pessoas.
Eu, que sou uma pequena empresária que não faz descontos sobre o ordenado mínimo, que não tenho dívidas ao Estado, sinto-me INDIGNADA com as sucessivas políticas destes palhaços que teimam em destruir qualquer capacidade deste povo para consumir algo para além de batatas e pão. Estes senhores só podem viver numa bolha. Eles acham que é com os 50 euros que vou poupar da TSU da minha colaboradora que vou contratar alguém? Como? Se andam a asfixiar (e não lentamente) a capacidade de consumo das pessoas.
Hoje, mais do que nunca, sinto-me enganada. Fazer tudo como manda a lei, ser uma cidadã exemplar (do ponto de vista fiscal) só me tem causado dissabores.
E os outros, como se  sentirão? Os que ganham 485 euros, que misturam café no leite dos filhos, que é bebido apenas duas vezes por semana? Os que pouco mais têm para além da sopa de couves, porque o resto fica na prestação da casa, na bilha do gás, na electricidade, na água e em alguma, pouca, comida?
O que faz uma mãe que ganha 485 euros quando um filho adoece por desnutrição? Quando precisa de comprar medicamentos ou de ir ao dentista? Será que estes senhores percebem que 34 euros é uma fortuna para estas pessoas?
Onde vivem estes cabrões que se passeiam de BMW pelas ruas da cidade? Será que vão ao café do bairro? Será que vão ao minipreço? Ou ao Pingo Doce? Onde é que eles vão as compras? Onde é que estudam os seus filhos? Com que lata nos mentem dia após dia?
Com que desplante vão à televisão dizer quase nada e tratar-nos como se fossemos atrasados mentais?
Já não me lembro da última manifestação onde participei. Provavelmente foi durante a faculdade. vou sempre amochando, à bom português. Porque não há alternativas, porque o momento não é bom, porque os sacrifícios são necessários para sairmos deste buraco, porque há sempre quem viva abaixo de nós, muito abaixo.
Mas tirar do bolso de milhões de trabalhadores para o transferir quase na totalidade para o bolso dos grandes patrões ficando depois à espera que o depenado do cidadão vá pressionar os senhores grandes patrões a descerem preços.... meus senhores, vão para a real puta que vos pariu. Estou mesmo a ver a Galp descer o preços dos combustíveis, a PT a dar chamadas grátis e a Sonae a descer os preços do cabaz básico. é que estou mesmo a ver o filme. Estou mesmo a vê-los a esfregar as mãos de contentamento na hora da distribuição de dividendos.
É por tudo isto, e muito mais, é por toda esta INDIGNAÇÃO que se abate sobre mim, que não posso deixar de estar presente na manisfestação do próximo sábado.
Quero lá saber da Troika, quero lá saber se o Seguro é capaz ou incapaz, estou-me a cagar para o patriotismo do Paulo Portas. O que eu quero é gritar à boca cheia que estou farta deles, destes pulhas que hipotecam o meu futuro, o do meus filho, o da minha mãe, o de todos os que me rodeiam.
E tenho a certeza que daqui a um ano estará tudo na mesma. O país continuará atolado no lodo e a única coisa que estará diferente e o nosso cinto; três furos mais apertado.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Mariana B a 14.09.2012 às 12:25

Que nunca a voz lhe doa...há que mostar que a indignação tem rostos e histórias que se vão repetindo à medida que os discursos oficiais se sucedem. E desejo-lhe (se conseguir) muita coragem com o mínimo de stress, tão prejudicial para casos clínicos como o seu!
Sem imagem de perfil

De Mónica a 14.09.2012 às 13:47

como disse a Mariana B, a indignação tem rosto, historias, vidas. Não são numeros ou conceitos abstractos que os "advisors" vão analisar. F***-se é o que apetece GRITAR
Sem imagem de perfil

De Helena Barreta a 14.09.2012 às 23:00

É isso tudo. A minha indignação é do tamanho da sua e sabe por que razão não me posso juntar à manifestação de amanhã? Simplesmente porque o dinheiro que ia gastar para chegar a Lisboa ou Setúbal me faz imensa falta.

Só espero que estas suas palavras, e de tantos outros, tenham o eco que merecem e que haja alguém que consiga fazer Justiça, para que possamos parar de pagar por erros que não cometemos.

Amanhã não estarei lá, mas só fisicamente, pois a INDIGNAÇÃO também se apoderou de mim.

Um abraço

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Setembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D