Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Depois de um dia mau pode haver um céu estrelado. O meu reino.


20
Fev16

Parar e pensar

por Inês P Queiroz

Muito se tem dito sobre a morte de duas crianças que a própria mãe terá levado rio adentro. Muitas opiniões, extremadas, quase todas, sobre a mãe assassina, ou o pai molestador, ou ambos. Tudo muito à flor da pele. Eu resisti muito a ver e a escrever sobre o assunto. Sinto-me triste, vazia, revoltada. Tenho imensas perguntas a matraquear dentro da cabeça. Sinto pena misturada com raiva. Agarro os meus filhos ainda com mais força, encho-os de beijos e penso "a mãe nunca vos faria algo de semelhante." Tenho muita dificuldade em encontrar desculpa para o acto: uma mãe, supostamente, matou as suas filhas. Não há desculpa. É horrível, é demasiado absurdo e cruel. E durante algum tempo fico presa nesta angústia imensa, nesta raiva mal contida. Mas confesso que a minha maior ira vai para o sistema. Os que é suposto proteger vivem envoltos numa teia burocrática que só termina quando algo de mau acontece. Não sei se esta mãe era ou não vítima de maus tratos. Não sei se o pai abusou ou não das crianças. Mas dizem-me as notícias que a queixa foi feita e que as crianças estavam sinalizadas, termo pomposo que de nada serve. O que se passa neste país? Andamos todos a dormir? Situações de mulheres mortas pelos companheiros mesmo depois das queixas e das condenações por maus tratos são mato. Há uns meses, dois gêmeos de 3 anos foram apanhados num parque infantil, às duas da manhã, por um estranho que os levou para casa e chamou a polícia. Tudo gente sinalizada. Tudo gente esquecida. E o que fazem as autoridades? Como é que é suposto isto acontecer? Não se ver para além da superfície das coisas? Se a mãe mentia não viram? Se as crianças estavam sinalizadas e a mãe deprimida não se fez nada? Se o pai abusava não se avançou? Vivemos num país onde todos apontam o dedo, onde todos sacodem a água do capote quando a coisa aperta e o de todos gostam de um certo protagonismo mas sem grande responsabilidade.

O que eu realmente acho é que devíamos parar. Pensar. Ver o país que temos, a sociedade que construímos... E deprimir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

16
Fev16

A festa

por Inês P Queiroz

Eu sou suspeita para falar, afinal a festa era minha.

Mas digo uma coisa: que festa! Adorei. Foi tão bom. Foi quase perfeito. Para ser a festa perfeita só ficaram a faltar meia dúzia de amigos e o meu irmão.

Confesso que entrei no ano com pouca vontade para festejos. Não por estar deprimida com a idade nem coisa que o valha. Mas porque estava a pensar na minha vida, no que queria, no que não queria... e depois confesso que também andava cheia de trabalho e sem grande motivação.

Mas bastou-me endireitar a cabeça, resolver o que havia para resolver aqui dentro desta caixa que é o meu cérebro e foi ver a vontade a chegar. Primeiro com o tema: fazendo anos perto do Carnaval nada melhor do que uma festa temática. E com a ajuda do marido e de um grupo de amigas saiu esta coisa preciosa: galdérias e fardas.

Estava dado o mote. Ainda achei que haveria muita gente que não se ia mascarar... puro engano. Estão a ver uma festa espectacular, com malta mascarada e muito boa disposição? Foi a minha. A forma perfeita de entrar nos 40, rodeada de muitos dos que amo: da minha amiga mais antiga à minha mãe, passando pelos maluquinhos das corridas, seu para tudo.

E as fardas, perguntam vocês? Houve de tudo: polícias, enfermeiras, galdérias, rameiras, piratas, índios, freiras e hospedeiras... que loucura.

Deixo aqui uma foto, a minha. Amanhã prometo deixar mais. As que se podem publicar, claro está.

Para o ano acho difícil, mas não sei se aguento até aos 50 sem fazer outra destas.

12741961_10154037792874925_4838588242629252229_n.j

Autoria e outros dados (tags, etc)

05
Fev16

Uma semana

por Inês P Queiroz

Nem parece meu, que sou pessoa dada a festas, não andar por aqui num virote com os meus 40 anos. São já daqui a uma semana, vai haver festa da rija. Mas a verdade é que tenho andado tão ocupada com outras coisas que só ontem entrei no espírito. Tenho muito pouco tempo e muita coisa para fazer e para organizar.

Já tenho espaço

Já tenho tema já tenho DJ e barman

Falta-me a fatiota, escolher o que se vai comer, comprar comida, bebida, decorações e fatiota.

Também me falta pedir a alguns amigos que levem comes.

Xinapá, estou tramada, essa é que é essa.

Ou me ponho a mexer ou esta festa será um flop de organização.

Autoria e outros dados (tags, etc)

05
Fev16

A amizade

por Inês P Queiroz

O verdadeiro amigo não julga, não toma partidos, não se precipita. Não menospreza a dor do outro, por mais ridícula que lhe possa parecer. Não é sobranceiro no seu olhar. Não dramatiza. O verdadeiro amigo simplesmente existe. É uma segurança. É a rede do nosso trapézio. É muito bom percebermos que somos isto para alguém. É ainda melhor percebermos que temos disto na nossa vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Calendário

Fevereiro 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D